Archive for setembro \30\UTC 2010

Simbologia para Reciclagem

30/09/2010

Projeto do professor da Universidade Feevale, Luis André Ribas Werlang, este blog busca a discussão sobre o uso da NBR 13230, que trata da normatização dos símbolos indicativos de materiais plásticos para a reciclagem.Este assunto esta sendo abordado em sua dissertação de mestrado.

http://simbolosreciclagem.wordpress.com

Anúncios

Plástico verde

30/09/2010


A Braskem inaugurou dia 24 de setembro no Pólo Petroquímico de Triunfo (RS), a maior unidade industrial de eteno derivado de etanol do planeta, que vai permitir a produção de 200 mil toneladas de polietileno verde por ano.
Desde o ano passado, a Braskem estabeleceu uma série de parcerias para fornecimento de polietileno verde a Clientes nacionais e internacionais que adotam o desenvolvimento sustentável como pilar de sua estratégia de mercado. Desse grupo pioneiro de empresas fazem parte Tetra Pak, Toyota Tsusho, Shiseido, Natura, Acinplas, Johnson&Johnson, Procter&Gamble e Petropack, entre outras. Produtos destinados à higiene pessoal e limpeza doméstica, embalagens de alimentos, brinquedos, utilidades domésticas estão entre as primeiras aplicações do plástico de origem renovável.
A especificação do eteno ocorreu 12 horas após a partida da unidade, em 3 de setembro, e a produção de polietileno verde começou uma semana depois. O processo de polimerização, que converte eteno em resina, utiliza unidades já existentes da Braskem no Polo de Triunfo. O produto final tem exatamente as mesmas propriedades e características do polietileno tradicional, podendo ser processado nos equipamentos dos Clientes sem necessidade de adaptações.
O etanol será fornecido mediante contratos já firmados com alguns dos principais produtores nacionais. A relação com esses fornecedores será regida por um Código de Conduta específico que prevê critérios de sustentabilidade, como cumprimento das diretrizes ambientais – especialmente as relacionadas no Protocolo Ambiental do Estado de São Paulo, da legislação trabalhista e da regulamentação que trata da redução de emissão de gases de efeito estufa. Grande parte da matéria-prima chegará por via hidroviária e ferroviária e apenas uma pequena parte circulará por rodovias.
A Braskem já avalia a possibilidade de implantar uma nova unidade de eteno verde diante do interesse demonstrado pelo mercado. “Os investimentos em biopolímeros confirmam a confiança da Braskem no crescimento do país e no potencial de que ele dispõe para liderar o desenvolvimento de produtos de origem renovável a partir do seu diferencial competitivo”, conclui Gradin.
http://www.braskem.com.br/site/portal_braskem/pt/sala_de_imprensa/sala_de_imprensa_detalhes_10338.aspx

Ecoalf

28/09/2010


Roupas, malas, e tenis feitos com garrafas pet e redes de pesca pela empresa espanhola ECOALF. As peças fogem ao estereótipo “eco” onde se imaginam roupas em tons crus, desconfortáveis e não tão atraentes e modernas quanto outras.


http://info.abril.com.br/noticias/blogs/planetaverde/2010/09/23/roupas-de-garrafa-que-voce-pode-usar/

Luminária pet

27/09/2010


Esta luminária faz parte das peças criadas por uma artista plástica de Recife, Thiana Santos que trabalha com a reutilização de diversos materiais para criar seus acessórios, luminárias e instalações. Dentre os materiais destacam-se o pet e as bolinhas de desodorantes roll-on. Ela também participa da 3ª edição da Bienal Brasileira de Design, sediada em Curitiba, que tem a participação de 23 estados Brasileiros e segue até dia 31. No Blog da artista é possível visualizar outras peças:
http://tianasantos.blogspot.com/

Ensaios de Moda – últimos dias pra inscrição!!!

27/09/2010

Tecido em spray

23/09/2010


As pinturas corporais alcançaram um novo nível através da invenção do estilista espanhol Manel Torres. Com o novo método, em vez de pintar com pincéis e depois lavar o corpo, a tinta aplicada na pele com spray forma um tecido tão resistente que pode ser lavado.
A fórmula desenvolvida mistura polímeros com solvente, que evapora quando atinge uma superfície, deixando apenas o material sólido que cobre a pele. O tecido tem textura de camurça, mas pode ser constituído de fibras de tecidos naturais, como lã, algodão ou seda, ou sintéticos, como o nylon, tendo a possibilidade inclusive de ser dissolvido e reutilizado.
Além da possibilidade de ter várias cores, a substância assume qualquer forma, causando efeitos de uma maneira completamente nova. De acordo com os fabricantes, o produto ainda não está pronto para comercialização, mas “as possibilidades são enormes”.
David Luckham, cientista que auxiliou Torres nas pesquisas, declarou que o spray também está sendo desenvolvido para ser utilizado na indústria médica. A ideia seria pré-esterilizar vítimas de acidentes. O sistema permite também a criação de tecidos inteligentes com partículas ativas, que vão dos medicamentos aos perfumes.


Fonte: http://www.usefashion.com/categorias/noticias.aspx?IdNoticia=89623

Modelagem para malha

23/09/2010

Modelagem de calçados

23/09/2010

Curso!

21/09/2010

Peixe amazônico vira opção no mercado de couros exóticos

16/09/2010


A pele dos peixes amazônicos, geralmente descartada no ambiente ou em lixões, surge como opção para o mercado brasileiro de couros exóticos.

A iniciativa é incentivada pela Secretaria de Desenvolvimento Sustentável do Amazonas por meio do projeto AMA (Ame o Amazonas), com a grife Iódice.

O material também está na mira da empresa gaúcha Péltica, que trabalha com couros exóticos e é especializada no de peixes há três anos.

“Já trabalhamos com o couro de peixes marítimos do Maranhão e do Pará. No Amazonas, além de evitar a poluição, podemos ganhar com uma matéria-prima nobre”, afirma Alexandre Frasson, sócio na empresa.
A Péltica pesquisou e testou em seu curtume a pele de diferentes peixes da região. Por enquanto, foram aprovadas como insumo as do aruanã e do tucunaré.

A pele de algumas espécies, como a pirarara, é mais resistente que a bovina, de acordo com Nilson Carvalho, coordenador do Projeto de Beneficiamento de Couro de Peixe do Inpa (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia).

Além disso, o insumo é abundante. Atualmente, segundo o instituto, uma tonelada de pele de peixe é desperdiçada por dia no Estado.

Na coleção de inverno da Iódice, apresentada na São Paulo Fashion Week, em janeiro, o couro de peixe amazônico foi utilizado para a confecção de bolsas, de cintos e de sapatos.

Os produtos, cujos preços vão de R$ 180 a R$ 900, foram bem aceitos pelos clientes da marca, segundo Alexandre Iodice, coordenador de estilo da Iódice Denim.

http://www.assintecal.com.br

Lembramos que a empresa Péltica é nossa parceira , portanto quem se interessar temos algumas amostra para visualização aqui no laboratório.
https://materiotecafeevale.wordpress.com/2010/07/08/peltica/