Posts Tagged ‘fibras’

Fibra cosmética com quitosana

13/09/2011

Lançada mundialmente em Frankfurt, Alemanha, a nova Tencel®C chega ao mercado brasileiro. Resultado de anos de pesquisa para combinar as propriedades de cosméticos com fibra têxtil, o novo produto é elaborado a partir de madeira e quitosana, matérias primas naturais que, combinadas, proporcionam uma série de benefícios à pele. A gerente de Marketing para a América Latina da Lenzing Fibers, Giselle Araujo, declara: “As tecelagens brasileiras estão cada vez mais focadas em oferecer um produto premium, que além de confortável proporcione uma série de benefícios. Acreditamos que Tencel®C irá aguçar o interesse dos fabricantes pela fibra cosmética”, disse a executiva durante apresentação do produto no salão Première Brasil, realizado em São Paulo. Conhecida por suas propriedades positivas para a pele, Tencel®C é originária da madeira (eucalipto), resultando em uma fibra suave para produção de tecidos sedosos. Por outro lado, a substância quitosana, produto natural extraído da concha dos moluscos, é utilizada em cosméticos e na indústria farmacêutica. Suas propriedades são reconhecidas mundialmente, como: alívio de coceiras, proteção, regulagem das células e efeito antibacteriano.  Foi a combinação destes atributos que resultou no novo produto.

Efeito comprovado

De acordo com a Lenzing, um tecido composto com Tencel®C favorece o nível de hidratação, porque a fibra atua como uma reserva de umidade, contribuindo para que a pele permaneça intacta e oferecendo proteção contra as influências do meio ambiente. Um estudo experimental, realizado com 32 participantes, demonstrou – segundo a empresa, que 41% dos voluntários estavam com a pele mais saudável, com desidratação reduzida e poucas rugas após usarem durante duas semanas um pé de meia, feito com a fibra cosmética.  O estudo mostra ainda que a nova fibra contribui para o aceleramento da renovação celular. Para alcançar sucesso no desenvolvimento de uma fibra têxtil com quitosana, os pesquisadores da Lenzing levaram anos pesquisando uma maneira de produzi-la em larga escala, já que esta matéria prima é de difícil controle por ser solúvel em água. Graças a uma tecnologia especial, o novo produto, ainda de acordo com a Lenzing, resiste a 50 ciclos de lavagem em máquina convencional sem perder suas propriedades cosméticas.

 http://www.textilia.net/materias/ler/textil/negocios/lenzing_fibers_lanca_fibra_cosmetica

http://www.lenzing.com/en/fibers/tencel/applications/apparel/tencel-c.html

Anúncios

Tecnologia têxtil para repelir insetos

09/08/2011

Lona de caminhão

07/07/2011

A empresa Yellow Port de São Paulo, produz diversas peças com lona de caminhão reciclada. As peças são únicas, pois carregam manchas, cortes , remendos e cores que foram construídas com o primeiro uso das lonas, estando vulneráveis ás intempéries e demais situações de uso. No site há mais fotos dos produtos.

 http://www.yellowport.com.br/01home/indice.htm

 

 Fonte: http://www.ecodesenvolvimento.org.br/shopping-ecod/roupas-yellow-port

Coopa- Roca

04/07/2011

A COOPA-ROCA, Cooperativa de Trabalho Artesanal e de Costura da Rocinha Ltda., é uma Cooperativa que capacita, coordena e gerencia o trabalho de mulheres moradoras da Rocinha, as quais produzem peças artesanais focadas no mercado da Moda e do Design.

A Cooperativa foi criada no início da década de 80 tendo por missão gerar condições para que suas cooperadas trabalhem em suas residências e assim ampliem o orçamento familiar sem se afastarem do cuidado de seus filhos e das atividades domésticas.

O trabalho desenvolvido na COOPA-ROCA possibilita uma melhoria da qualidade de vida das Artesãs e, indiretamente, de suas famílias também. Além de possibilitar o trabalho em casa e a complementação do orçamento familiar, também tem proporcionado melhorias na qualificação profissional, no crescimento da auto estima e no aprendizado coletivo.

Com um enfoque profissional que valoriza a produção artesanal apoiada no aperfeiçoamento constante das cooperadas, a COOPA-ROCA tem por visão ampliar o impacto social de sua experiência na Rocinha, tornando-se uma referência nacional no processo de inserção social das comunidades de baixa renda. Hoje a Cooperativa soma aproximadamente 100 Artesãs.

http://www.coopa-roca.rj.gov.br/default.asp

 Veja neste link uma entrevista com Maria Teresa Leal, fundadora da cooperativa:

http://www.ecodesenvolvimento.org.br/posts/2011/maio/a-moda-e-o-artesanato-juntos-pelo-desenvolvimento

Visita Técnica Contextura

20/06/2011

Inscrições:

http://www.feevale.br/extensao/evento-visita-tecnica–contextura

 

Visita Técnica Contextura

14/06/2011

Vídeo com entrevista.

Para quem participou do Evento Moda Insights e viu a palestra da empresa Contexturas, agora tem a oportunidade de conhecer o processo e ver de perto as criações com resíduos têxteis que eles produzem.

Objetivo: Gerar a reflexão sobre novos olhares e instigar o acadêmico a compreender as mais variadas formas de expressão que possam ser entendidas como inspiração para a criação de produtos de consumo.

Público-alvo: Acadêmicos dos cursos de Design, Moda, Artes Visuais, Mestrado acadêmico em Processos e Manifestações Culturais, Mestrado Profissional em Tecnologia de Materiais e Processos Industriais além de áreas correlatas. 

 Período: 6 de julho de 2011 | Quarta – feira Horário: Das 13h às 16h Carga horária: 3 horas

Inscrição: Inscrições até o dia 04/07 no link abaixo

http://www.feevale.br/extensao/evento-visita-tecnica–contextura

 Local: Empresa Contextura – Porto Alegre

Certificado: Será emitido certificado por participação

 http://www.contextura.art.br/

 Vídeo com imagens dos produtos:

Tecidos com acabamento feito a partir de manteiga de cupuaçu.

05/05/2011

A Sabie incrementa seu portifólio “verde” com nova linha de produtos ecologicamente corretos e sustentáveis, com acabamento Alsoft Amazontex – natural, obtido através do processo de extração da manteiga do Cupuaçu, fruto típico da região norte do Brasil. E os tecidos utilizados são o Solasol e Tapé, produzidos pela Santista Workwear.(Veja abaixo maiores detalhamentos destes tecidos)

A aplicação do Alsoft Amazontex nos tecidos produz efeito amaciante, aumentando a sensação de conforto pelo usuário devido a maior capacidade de absorção da umidade e dos raios U.V.A..

A utilização desse novo acabamento contempla um projeto de colaboração que visa garantir o desenvolvimento das comunidades locais na Amazônia, de onde é extraído o cupuaçu. A população indígena é responsável pela execução desse projeto que beneficia cerca de 700 famílias.

O cupuaçú é extraído pelas cooperativas da região amazônica, com prévia autorização do IBAMA que fiscaliza a gestão ecoeficiente dos recursos naturais com o objetivo de garantir seu desenvolvimento e conservação no tempo.

Cupuaçu

 Tecidos:

5005 – Solasol

Produto há mais de 50 anos no mercado, alia perfeitamente conforto, resistência e durabilidade. Destaca-se como a melhor proposta em relação ao custo-benefício, e sua composição 100% algodão proporciona bem-estar e proteção ao funcionário.

Aplicação nos segmentos:

Agronegócio

Alimentício

Automotivo

Construção civil

Hospitalar

Petroquímico

Transportes

Acabamentos:

Antiestático

Proteção ao Metal Líquido

Repelência Água e Óleo

Repelência a Agentes Químicos.

5140 – Tapé Mais

Brim leve indicado para camisaria operacional. Alia conforto, durabilidade e resistência.
Referência de qualidade em tecidos 100% algodão.

Aplicações nos segmentos:

Agronegócio

Alimentício

Automotivo

Construção Civil

Hospitalar

Petroquímico

Transportes, etc.

Acabamentos:

AntimosquitoRepelência

Água e Óleo

Repelência a Agentes Químicos.

 http://www.tavex.com/2047/workwear/produtos/por_economia/hospitalar.html#detalhesProdutos

http://www.sabie.com.br/

Esmalte dos dentes inspira novos materiais para indústria aeroespacial

23/12/2010

Parte mais dura do corpo humano

Você já deve ter ouvido falar que o esmalte dos dentes é a parte mais dura do corpo humano. Contudo, do ponto de vista da sua composição, o esmalte é uma espécie de cerâmica mineral que não é mais dura do que um vidro comum.

Se o segredo da sua resistência estivesse unicamente na sua composição mineral, não seria necessário morder uma castanha para que o esmalte se quebrasse inteiramente.

Mas isto não acontece e a razão pela qual o dente suporta quantidades gigantescas de pressão tem sido um mistério para os cientistas.

Estrutura dos dentes

Agora, um grupo internacional de pesquisadores utilizou ferramentas sofisticadas de imageamento e testes exaustivos com dentes extraídos de pacientes para tentar desvendar a estrutura cristalográfica do esmalte dos dentes – a forma como suas moléculas se organizam para suportar enormes pressões, em busca de uma resposta para esse mistério. E a busca parece ter sido frutífera.

A resposta está na estrutura altamente sofisticada dos dentes, que é a responsável por mantê-los íntegros. “Os dentes são feitos de um material compósito extremamente sofisticado que reage de forma extraordinária quando submetido a fortes pressões,” explica o professor Herzl Chai, principal autor do estudo.

Fibras sintéticas

Uma curiosidade é que o professor Chai não é dentista – ele é engenheiro aeronáutico. E ele tampouco começou a pesquisar o esmalte dos dentes por acaso – seu interesse está no desenvolvimento de materiais que sejam mais leves e mais resistentes, superiores aos compósitos e fibras de carbono atualmente utilizados nos aviões mais modernos.

A indústria aeroespacial e automotiva usa materiais sofisticados para suportar grandes pressões e evitar que as peças se quebrem sob impacto. Por exemplo, os aviões mais modernos estão sendo fabricados com materiais compósitos formados pela justaposição de camadas de fibras de vidro e fibras de carbono, coladas por uma resina.

Apesar do apelo high-tech desses aviões e da estrutura dos carros de Fórmula 1, esses materiais de última geração não se comparam com o esmalte dos nossos dentes quando o assunto é a resistência. Mas os resultados da pesquisa do grupo do professor Chai poderão ajudar a diminuir a distância que os separa.

Tecido em forma de onda

Nos dentes, as “fibras” não são dispostas na forma de uma rede, como nos compósitos de fibra de carbono – elas são tecidas na forma de ondas. Há hierarquias de fibras e matrizes arranjadas em diversas camadas, ao contrário das camadas de espessura fixa dos compósitos usados nos carros e nos aviões.

Quando é submetida à pressão mecânica, essa arquitetura ondulada não oferece um caminho óbvio para que o estresse se espalhe, o que resultaria na sua quebra imediata naquela direção. Em vez disso, o estresse se espalha de forma mais ou menos aleatória, criando microfissuras que absorvem a pressão em conjunto, evitando rachaduras maiores e quebras.

Os pesquisadores afirmam que, ao desvendar essa estrutura, assim como entender o seu funcionamento, eles agora terão condições de projetar materiais sintéticos muito mais resistentes do que os atuais, incluindo compósitos para uso aeronáutico, que serão mais resistentes e poderão ainda mais leves do que os atuais.

Autocicatrizante

O dente tem uma vantagem adicional difícil de equiparar: ele é capaz de se recuperar das microfissuras. Mas os engenheiros estão trabalhando também nesse caminho – outras pesquisas já demonstraram que é possível incluir a autocicatrização até em metais.

Embora a criação de carros e aviões autocicatrizantes seja um objetivo distante no futuro, esta pesquisa permitirá que os engenheiros comecem já a desenvolver materiais significativamente mais resistentes do que os atuais, ainda que não tão duráveis quanto o esmalte dos nossos dentes.

 
 

 

http://www.inovacaotecnologica.com.br

Fibra natural

30/11/2010

Lã de ovelha em imagem ampliada 200x, notem o brilho e a transparência da fibra.

Sustentabilidade na indústria têxtil

26/11/2010

Selecione a página 32 no link abaixo para visualizar a reportagem:

http://www.textilia.net/_arquivo/revistas_digitais/revista_textilia/ed74/default.html